domingo, 30 de junho de 2013

Fatores que influenciam na Síndrome do Pânico



Fonte: grupo Síndrome do Pânico 

As causas dos ataques de pânico estão relacionadas, principalmente, a fatores ambientais/históricos (acontecimentos ao longo da vida) e sócio-culturais. Os fatores filogenéticos não explicam os acontecimentos, visto que as reações do sistema nervoso simpático, que surgiriam, geralmente, diante de perigos reais, aparecem em situações que não existe perigo.
Assim, compreender a história de vida daquele que tem o transtorno do pânico é fundamental para o seu tratamento. Normalmente, as pessoas que sofrem de ataque do pânico costumam apresentar muitos aspectos em comum (Bernik e Range, 2001):

a) são pessoas extremamente produtivas no nível profissional;

b) costumam assumir uma carga excessiva de responsabilidades e afazeres;

c) são muito exigentes consigo mesmas e não convivem bem com erros ou imprevistos;

d) são perfeccionistas, com excessiva necessidade de estar no controle e de ter a aprovação dos outros;

e) têm tendência a se preocupar demais com os problemas do dia a dia;

f) possuem alto nível de criatividade;

g) possuem auto-expectativas extremamente altas e tem fortes regras;

h) não sabem diferenciar seus sentimentos; e

i) tem uma grande tendência a não perceber suas necessidades físicas.

Outras características que têm sido observadas naqueles que desenvolveram o transtorno são a privação afetiva, a dependência emocional e a passividade nas relações interpessoais.


Eu acrescentaria ainda o prolapso da válvula mitral, que é bastante comum entre os portadores. Aliás, vou preparar um post sobre esse assunto em breve, ok? Saúde e paz! 

Aproveitem o domingo! :) 

6 comentários:

  1. Karen, não estou conseguindo comentar no seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Excelente poder abordar este tema de forma tão simples e clara.´São exatamente essas as características de pessoas que desenvolvem o transtorno.
    Infelizmente muitos ainda não tem noção do que está acontecendo, se sentem solitários e desamparados diante das crises, que na maioria das vezes são inexplicáveis.
    Por puro preconceito a maioria da população ainda tem dificuldade de procurar profissionais da psiquiatria e da psicologia e ficam por muito tempo vivenciando este sofrimento de forma solitária.
    Parabéns Karen pela coragem de se expor e assim poder ajudar tantos que sofriam sozinhos
    Bjs
    Ana Café

    ResponderExcluir
  3. Querida, Ana Café, muito obrigada pelo seu carinho e incentivo!!! Admiro muito o seu trabalho, fico feliz e honrada com as suas palavras. Parabéns para nós! ;)
    Um super beijo!

    ResponderExcluir
  4. Flávia Celestino7 de julho de 2013 09:39

    Karen, parabéns pelo blog. Estou em tratamento (transtorno de pânico) há mais de 3 anos, nesse tempo tenho procurado informações e o blog me surpreendeu por reunir vários conteúdos interessantes. Com certeza vai ajudar muita gente, em especial desmontando os preconceitos que cercam o tema.
    Abraço, Flávia Celestino

    ResponderExcluir
  5. Flávia, querida! Poxa, que bacana receber uma mensagem sua. Acho que vc já tinha me falado algo sobre isso, mas não sabia que vc tb era portadora de TP. Fico feliz por vc ter curtido meu blog! Beijo grande.

    ResponderExcluir
  6. Eu tive muitos problemas familiares na infância. ..lembro que comecei a me sentir insegura e ansiosa quando criança ainda. Acho que isso me afetou muito meu psicológico. ..meus pais sempre foram ausentes e sempre foi um lar conturbado. Vomecei a desencadear o quadro de sp aos 20 anos...foi um período muito difícil, mas com os anos fui aprendendo a me controlar, na época fiz uso de remédios controlados. .mas não me fazia bem.....hj em dia estou melhor e tenho tbm.pvm isdo tbm acho que contribuiu tbm...faço udo de betabloquador receitado pelo cardiologista. ..abraço!!

    ResponderExcluir

Obrigada por deixar seu comentário no Sem Transtorno! Não deixe de curtir a nossa página no facebook.com/semtranstorno.