domingo, 12 de maio de 2013

Tratamento durante a gravidez


Por Karen Terahata

Se a gravidez, por si só, já traz muita ansiedade, que dirá para uma ansiosa de carteirinha! Nesse caso, o que fazer? Será que podemos tratar a ansiedade com remédios durante a gestação?

Na opinião da psiquiatra Moema Costa dos Reis, médica do Hospital Barra D'Or e do Núcleo Integrado, cada caso deve ser avaliado com cautela: "Se, por exemplo, a mulher está planejando engravidar, deve tentar parar a medicação com a ajuda do seu médico, pois nenhum antidepressivo ou ansiolítico é totalmente seguro na gravidez".

No entanto, ela lembra que em alguns casos essa suspensão é inviável. "Em quadros graves de ansiedade ou depressão, em que a saúde da mulher ou a do bebê podem ser comprometidas caso a medicação seja suspensa, precisamos orientar sobre os possíveis riscos, que são baixos, mas existem, ou mesmo pensar na mudança da medicação, pois pesquisas apontam para um risco maior de malformações com determinadas drogas".


Para Moema, a decisão de adiar a gravidez também deve ser considerada. "Pensar em adiar a gravidez até que haja melhora e se possa suspender a medicação é uma possibilidade a se pensar, já que muitos quadros são breves e apresentam melhora em alguns meses".


Já durante a lactação, o perfil de medicamentos indicados é um pouco diferente, porém não é necessário evitar a amamentação se a paciente tiver um acompanhamento com o especialista. "O contato do bebê com a mãe e essa relação que se constrói durante a amamentação sobrepõe eventuais riscos e os neonatos devem ser acompanhados com cuidados adicionais pelo pediatra", afirma Moema.

Muita saúde e alegrias para todas as mamães, futuras mamães e seus bebês!!! :)



4 comentários:

  1. Ótimo post, me deixou mais confiante na possibilidade de ter uma gravidez tranquila mesmo tendo tag e pânico.

    ResponderExcluir
  2. Karen vc sempre nos ajuda. Vivo este dilema fazendo tratamento de pânico e depressão. Ficava achando impossível engravidar
    Obg

    ResponderExcluir

Obrigada por deixar seu comentário no Sem Transtorno! Não deixe de curtir a nossa página no facebook.com/semtranstorno.