sábado, 11 de maio de 2013

Jogos online e videogames contra a depressão

Desde criança, sou louca por jogos. 
Jogos eletrônicos, de tabuleiro, baralho, adedanha... qualquer um. Lembro de um joguinho portátil que eu tinha. Nos dias de hoje, equivaleria a um Nintendo DS ou um PSP, mas muito mais simples, claro. Eu não desgrudava dele!
E o Atari? Todos os campeonatos do prédio eram lá em casa. River Raid, Pitfall, Hero, Decathlon...
Puts, já entreguei a idade! rss


Aos dez anos viajei para a Disney e, no lugar de bichinhos de pelúcia, preferi trazer uma espécie de mini fliperama do Mario Bros. Ele era incrível! Aliás, era não, ele É incrível, pois o guardo até hoje e ainda empresto pro meu filho! :)

Pois bem, depois vieram outros jogos: o tetris do camelô com "aquela" musiquinha, paciência, campo minado e free cell do Windows... até chegar aos atuais joguinhos do Facebook.  
Eu jogo só um deles, e perco a noção do tempo e do espaço. E da tristeza e da ansiedade. Por que será?

Então eis que resolvo buscar alguma explicação plausível para esse "relaxamento" instantaneo e momentaneo. E não é que encontrei? Veja só esse trecho de uma matéria publicada no site M de Mulher, da editora Abril: 

Seu filho adora ficar horas jogando videogame? Isto pode ter um lado bom. Um estudo divulgado recentemente pela Universidade da Carolina do Leste, nos Estados Unidos, mostrou que os pacientes que jogavam videogame de vez em quando cortaram pela metade os sintomas de depressão e ansiedade. Claro que outras pesquisas serão feitas, mas não há dúvida de que eles melhoram o humor e reduzem o estresse.

No portal de notícias R7, encontrei ainda:

Segundo um estudo realizado pela Universidade da Carolina do Leste, jogos casuais são ótimos para diminuir esses dois grandes malesNo total, 59 pacientes com sintomas de ansiedade e depressão participaram do estudo. (...) Segundo o professor que controlou o estudo, é possível que ‘jogar um jogo casual’ seja oferecido como tratamento complementar ou até mesmo substituto a medicamentos no futuro. Em outras palavras, é melhor a fabricante do Prozac tomar cuidado, pois ele pode ser substituído por Peggle em algum momento no futuro.

Antes de terminar o post, no entanto, o autor faz a seguinte observação: o estudo foi financiado pela PopCap Games que é criadora e detentora dos direitos autorais de jogos como Bejeweled, Peggle e Bookworm Adventures.


Coincidência?

Na dúvida, sigo caminhando e jogando! ;)

Saúde e coragem a todos!

2 comentários:

  1. Adorei essa matéria, acho que é por isso que tenho jogado tanto no face, rs. Adoro mesmo. Me acalma e me vicia também, kkkkk.

    Veridiana

    ResponderExcluir
  2. Não é??? Só não podemos prejudicar nossas atividades por causa dos jogos, eles podem se tornar um vício mesmo! Aí o jeito é dar um tempo, não jogar mesmo durante um tempo! Conselho da minha psicóloga. ;)
    Beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada por deixar seu comentário no Sem Transtorno! Não deixe de curtir a nossa página no facebook.com/semtranstorno.