sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Superação - Férias!


Após anos evitando viagens de avião, consegui superar o medo
e me divertir muito!!!

Desde que passei a sofrer de pânico, em 1997, perdi muitas oportunidades por causa do medo. Muitas dessas oportunidades pelo medo de viajar de avião.
Como já contei uma vez aqui pra vocês, deixei de ir pro Japão por receio das horas de voo até lá. Além disso, foram muitas as oportunidades de trabalho que me esquivei, looongas viagens de carro que fiz... tudo por medo de voar.

E olha que viajo de avião desde que me entendo por gente, moro no Rio, mas minha família é de São Paulo e sempre pegava a ponte aérea, de dia, de noite, com sol, com chuva, com os meus pais, sozinha, e adorava. Mas o pânico traz consigo alguns medos incontroláveis, e este foi um dos que adquiri.

"Vamos todos pra Disney nas próximas férias"!

Para piorar a minha situação, meu filho, que hoje está com sete anos, é completamente destemido e vivia me pedindo para viajar de avião. Achava muito chato ter que passar tanto tempo dentro do carro. Haja DVD, gibi e 
Nintendo DS para entreter essa criança durante 8, 10, 15 horas! 

No meio do ano passado, meu marido resolveu me fazer uma surpresa e programou uma viagem à Disney. Ele sabia que eu tinha muita vontade de levar meu pequeno pra lá, só faltava coragem. 

Quando ele me deu a notícia, fiquei muito feliz, mas ao mesmo tempo pensava em como iria conseguir passar tanto tempo fechada, dentro de uma aeronave. Meu problema maior não era voar, disso eu até gosto. O problema era o medo de ficar fechada, "presa", querer sair e não poder. É isso que me dá desespero, que me falta o ar só de imaginar.


Durante esses anos todos, só não consegui evitar duas viagens de avião. Mesmo assim foram viagens profissionais e só até São Paulo, menos de uma hora de voo. Ao meu lado, colegas de trabalho, diretores globais, isso me intimidava um pouco - eu não podia dar um chilique! 

Então comecei a trabalhar a ideia da viagem com a minha psicóloga e com a minha psiquiatra. Aos poucos a vontade de enfrentar e de superar aquela limitação foi ficando muito maior do que o medo. Resumo da ópera: o dia chegou e minha alegria era tão grande que nem tive tempo de sentir medo nenhum. Obviamente levei vários ansiolíticos sublinguais por precaução, e saquei três deles durante a ida, mas na volta nem precisei!
 
A felicidade de ver o meu filho tão encantado com aquela experiência nova, com as nuvens, com tudo que ele estava vivendo me anestesiou. Não senti fobia nenhuma, li, escrevi, comi à beça (como de costume! rss), dormi... e lá se vai mais um obstáculo! Já estamos sonhando com as próximas férias, dessa vez pra Europa! :)

Faço questão de compartilhar com vocês algumas fotos dessa minha aventura em família. Não deixem de acreditar que é possível enfrentar todos os nossos medos, as nossas fobias, a depressão, e superá-los. Com tratamento adequado e força de vontade, podemos levar uma vida normal e até sermos felizes, vejam só! ;)

Um grande abraço a todos, muita saúde, força e coragem! Já estou me preparando para os próximos desafios!

Tirei muitas fotos do avião! Cada lugar lindo que sobrevoamos!
Feliz na fila do Trem da Mina, que fui quando tinha dez anos
Karen Potter :)
Enchi a cara de cerveja amanteigada!


Revenge of the Mummy favoritado pelo meu filho

 
Presente da natureza em Busch Gardens
Pena que a caranga não coube na mala!
 

Camiseta fofa da lojinha do Men in Black
Me acabei nas montanhas-russas!!!

Mais montanha-russa!!! Yeaaaaah!!!!!


Esse bar do Bob Marley na Universal é muito legal! <3
Fim de tarde no Magic Kingdom
Café da manhã "humilde" no Discovery Cove! 


Essa não precisa de legenda!... :D <3




13 comentários:

  1. Kallll!!! PARABÉNS PELA SUPERAÇÃO!!! Tb planejo levar o meu pequeno na Disney ano que vem, mas só de pensar no avião fico sem respirar....rsrsrs!!! Mas eu vou sim, se Deus quiser!!! Beijão e parabéns mais uma vez!!!! Lucinha (amiga Anto e Fefê)

    ResponderExcluir
  2. Lucinha!!!!!! Vc vai conseguir!!! Vale a pena enfrentar esses medos, a vida pode ser bem mais divertida!!!! Ainda mais pra você, essa alegria em pessoa!!! Um beijão, querida, saudades das nossas bagaças!!!! hahahahah

    ResponderExcluir
  3. É isso aí, prima!! Filho sempre nos motiva. Adorei o texto e as fotos!! Vi que aproveitaram até!

    ResponderExcluir
  4. Erikinha!!! Sim, filho é a maior motivação!!! Maior e melhor!!! <3

    ResponderExcluir
  5. Primeira vez por aqui e já estou gostando eu faço tratamento para ansiedade tanto com o psiquiatra e o psicólogo e também estou com medo de voar desde 2009 , conta como você superou .
    abraço

    ResponderExcluir
  6. Assim que eu soube que a gente ia viajar, comecei a me preparar psicologicamente, com a ajuda da minha psicóloga e da minha psiquiatra. Levei um ansiolítico comigo, eu ia tomar meia hora antes do voo, mas acabei tomando só na hora mesmo. E foi tudo tranquilo, procurei não ficar pensando em nada ruim, só queria me divertir, curtir minhas férias, e tb coloquei na cabeça que eu não poderia impedir nada, que se fosse pra acontecer alguma coisa, ia acontecer mesmo, então eu tinha que relaxar e aproveitar! Deu certo. Mas sozinha, acho que seria bem mais complicado... tive todo apoio das profissionais que me acompanham e da minha família tb.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Karen. Pesquisando na net sobre "medo" de avião, cheguei até aqui. Passo pela mesma coisa, faço terapia há quase um ano, e não consegui vencer essa barreira. Adoooooro viajar, mas não tenho coragem de enfrentar várias horas de voo. Não pelo medo do avião cair, etc, mas pelo fato de ter a mobilidade reduzida, ficar na posição sentada por várias horas (e naquelas poltronas desconfortáveis), encarar grande tempo de espera sem nada para fazer. No meu caso, como viajo sozinha, a coisa piora. Isso me prejudica, pois não tenho mais o q conhecer no Brasil. A última viagem mais longa q fiz, fiquei 3:30 horas dentro do avião e não via a hora de chegar. E, nessas horas de tédio, não há revistas, filmes, músicas, sono q façam as horas passarem rápido. Poderia me dar uma dica sobre a direção do seu tratamento, pra q eu possa tentar sua estratégia junto com a psicóloga e psiquiatra que me acompanham? Bjs. Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana, tudo bem? Olha, eu faço TCC (terapia cognitivo comportamental), não sei se é a linha da sua psicóloga. Nós duas e a minha psiquiatra conversamos juntas sobre o problema e a partir desse dia a viagem passou a ser um objetivo comum. Com a terapia e com a orientação da minha psiquiatra, passei a me sentir mais segura. Levei uma medicação comigo (Rivotril sublingual, no caso) para tomar meia hora antes do embarque. Durante o voo, fiz uso do "santo" remedinho também e consegui relaxar numa boa, como você pode ver no post acima. Na volta nem precisei tomar remédio. Qualquer outra dúvida, estou à sua disposição, ok? Caso tenha urgência na resposta, mande um e-mail para semtranstorno@gmail.com Beijos!

      Excluir
    2. Olá, Karen... Tenho o mesmo problema seu e de tantas outras pessoas que aqui comentaram. Não deixo de viajar, mas toda viagem é o mesmo dilema: medo de ter "ataque de pânico" dentro do avião e envergonhar meu marido e até ser motivo de notícia na mídia. Antes de viajar me agarro com todos os santos (Santo frontal, Santo Rivotril...) e só fico tranqüila quando chego no meu destino. Bem, viagens a parte, gostaria de tirar uma dúvida com você, já que tem filho... Você teve alguma crise de pânico durante a gestação? Morro de vontade de ter filho, mas quando penso que, se tiver uma crise de pânico durante a gestação, não poderei fazer uso de medicação, fico com medo. Um grande abraço! Ana Paula

      Excluir
    3. Oi, Ana Paula, tudo bem? Esse desconforto pode até existir, mas desde que não nos faça perdermos oportunidades importantes, não é?
      Quanto à gravidez:
      Durante minha gravidez, meu psiquiatra me orientou a interromper a medicação (no caso, fluoxetina) durante os três primeiros meses de gestação e que, caso eu tivesse alguma crise ou me sentisse muito desconfortável, que tentaríamos alguma alternativa não medicamentosa. Felizmente tive uma gestação maravilhosa, não precisei usar remédio nenhum até meu filho completar um ano e meio, mais ou menos. Eu fiz um post sobre o assunto (tratamento durante a gravidez), dá uma olhadinha e depois converse com seu médico para tentarem, juntos, pensar na melhor opção pra você e pro seu bebê!
      http://semtranstorno.blogspot.com.br/2013/05/tratamento-durante-gravidez.html
      Boa sorte!

      Excluir
    4. Tive as mesmas preocupações que você..medo de ter crises na gestação, medo de não conseguir ficar sem os meus remédios.mas no final correu tudo bem. gestação tranquila e fiquei sem remédios até os 2 anos da minha filha pois amamentei durante esse tempo.

      Excluir
  8. Oi Karen!!!também achei seu post por um acaso,mas adoreiiiii....Por vários problemas familiares desenvolvi uma crise horrível de panico...tinha medo de sair de casa,de dirigir e até de comer e morrer engasgada..bom enfim...sair de carro até a escola dos meus filhos que levava uns 20 minutos era a morte pra mim..só 2 x fui parar no hospital para tomar diazepan porque não reconheci meus sintomas...nunca fiz tratamento com medicação ,só pingava na hora da crise umas gotinhas homeopáticas na língua .Fiz um ano de acompanhamento psicológico mas, como não dispunha de muito tempo parei...A uns 2 meses meu marido me deu de presente a minha primeira viagem de avião ...na hora suei frio,tremi,chorei e me apavorei ..rsrsrs,achei que iam ter que me dopar ..mas fui....foi só um hora de voo e tudo foi maravilhoso .Mas na hora de voltar as tão temidas crises aconteceram dentro do avião,eu não sabia se saia correndo ou gritava ,mas mantive a calma.(Alias aprendi que só a gente sabe que está tendo uma crise) .Eu me agarrei na cadeira ,respirei fundo e pedi a Deus que me ajudasse,não queria expor minha família ao ridículo. Confesso que demorou uns 10 minutos para passar ,mas enfim ela passou ,ninguém percebeu e ,eu consegui me controlar ,e minha viagem terminou super bem...acho que cada um tem um jeito e não estou aqui estimulando as pessoas a sofrerem sozinhas até se curar,mas no meu caso vejo que quando eu dou muita importância a um assunto ele acaba fazendo com que eu tenha crises continuas...não faço uso de medicação nenhuma mais e cada vez mais estou adquirindo minha autoconfiança...Agora ganhei de presente outra viagem,só que desta vez bem mais longe (umas 12 horas de voo),estou super bem,tranquila e vamos que vamos...

    ResponderExcluir
  9. Parabens!!!! Hj fui ao meu medico pela mesma razao, tenho uma viagem e nao sei o que fazer. Ate me emocionei qdo vi seu post. ..espero ter a mesma garra que vc!

    ResponderExcluir

Obrigada por deixar seu comentário no Sem Transtorno! Não deixe de curtir a nossa página no facebook.com/semtranstorno.