sábado, 9 de novembro de 2013

Rivotril? - Eis a questão

                                                           Imagem: internet
Esta semana, coincidentemente, recebi e-mails e mensagens de várias pessoas em crise de pânico com medo de tomar um ansiolítico - mais precisamente o Rivotril.

Em primeiro lugar, gostaria de lembrar que não sou médica, nem psicóloga. Sou apenas uma portadora de pânico e de ansiedade generalizada há pelo menos 16 anos, que leva a sério seu tratamento com terapia e medicação (inclusive Rivotril, quando necessário). Já comi o pão que o diabo amassou por causa da ansiedade, mas,
com muita força de vontade e acompanhamento profissional adequado, estou conseguindo ter minha vida de volta - de bônus, um estimulante recomeço.

Tendo isso esclarecido, me sinto à vontade em dar minha opinião: Rivotril é coisa séria sim, pode causar dependência sim e deve ser usado com muita responsabilidade, somente com prescrição médica. Mas se houver essa prescrição médica, aconselho que tome.

Quando estamos num período de crises de pânico, principalmente quando temos as primeiras crises e não sabemos como controlá-las, o ansiolítico ajuda muito. Ele relaxa, diminui as sensações ruins da ansiedade.
Ansiedade que acelera o nosso batimento cardíaco e que, com isso, prejudica a nossa respiração e faz a gente sentir falta de ar, além de pressão no peito,
formigamentos...

Eu raramente faço uso de Rivotril. Tomei pela última vez há dois meses, quando viajei de avião depois de passar dez anos me esquivando dessa situação! Como não se pede para parar um avião da mesma forma como se pede para parar um ônibus, eu ficava imaginando o que eu faria se tivesse uma crise de pânico durante o voo. Me sentia mal só de pensar na vergonha que eu poderia passar e fazer minha família passar junto! Mas deu tudo certo, e agradeço por ter levado meu Rivotril na bolsa. Mesmo tendo feito todo um "trabalho de base" com a minha psicóloga e com a minha psiquiatra, me senti bem mais segura. E com a ansiedade controlada, pude curtir a viagem, sem nenhum problema.
(aproveite para ler o post Superação - Férias!, onde falo mais sobre essa minha experiência)


No mês passado, a Veja Rio publicou uma matéria de capa sobre o Rivotril e vou compartilhar com vocês os trechos que achei mais interessantes. Caso queiram ler a reportagem completa, aí vai o link.
 
Cabe a cada um, obviamente, julgar o que é melhor para si. Estou aqui apenas dando minha opinião fundamentada na minha vivência com a doença, ok? Consulte sempre um médico! Não custa lembrar!... ;)


Coragem! Paz! <3


No astral do Rivotril 

Indicado para tratar síndrome do pânico e fobias, o medicamento de tarja preta é adotado por cariocas como panaceia para as tensões do dia a dia
Por Sofia Cerqueira

- De acordo com dados de mercado, trata-se do calmante mais consumido no Rio, à frente de drogas para impotência sexual e hipertensão.

- "Para muita gente funciona como se fosse o velho copinho de água com açúcar, o que evidentemente é um exagero", compara a médica Fátima Vasconcellos, presidente da Associação Psiquiátrica do Estado e chefe de clínica do Serviço de Psiquiatra da Santa Casa.

- Chamado de "pílula da felicidade", "comprimido do relax" ou "gotinha da paz" em sua versão líquida, o Rivotril desfruta uma aura pop incomum para um medicamento. (...) Apenas na internet, há mais de oitenta páginas espalhadas pelas redes sociais fazendo alusão ao uso do remédio ou estampando o seu nome. 

- Boa parte dessa popularidade vem dos efeitos do Rivotril, que desacelera o sistema nervoso central, nocauteando um grupo de neurotransmissores e reduzindo as respostas aos estímulos externos. Como resultado, induz a um relaxamento muscular, a uma sensação de tranquilidade, chegando à sedação leve, no caso de doses mais altas. Quem toma explica que o efeito é parecido com o do consumo de uma ou duas doses de álcool, mas mantendo a clareza dos pensamentos e uma impressão de calma e paz.

- É inegável que uma droga tão bem-sucedida traz benefícios às pessoas que a consomem. A questão central, evidentemente, não é o remédio. O problema aparece quando, sem o monitoramento adequado, ele se transforma em muleta diante da mais prosaica das adversidades.

- Com o ritmo de vida acelerado e a contínua exposição a pressões (sejam pessoais, sejam profissionais), um em cada três moradores de regiões metropolitanas apresenta distúrbios decorrentes da ansiedade. Os problemas com o sono também são muito frequentes: estima-se que atinjam de 15% a 27% da população adulta. Não à toa, suas vendas, somadas às das versões genéricas comercializadas sob o nome de Clonazepam, crescem ao ritmo de 15% ao ano. 


- "Prescrito de forma correta e por um tempo adequado, o remédio é muito seguro e eficaz", defende o psiquiatra Antonio Egidio Nardi, professor titular da Faculdade de Medicina da UFRJ e uma das maiores autoridades em transtornos de ansiedade no país. 

30 comentários:

  1. confesso que ainda tou tentando fazer terapia sem medicamentos mas não descarto por completo eles. a ver vamos como isto corre :) amei o post!

    ResponderExcluir
  2. Por favor gostaria de um post falando sobre o medicamento alprazolan e tb sobre a homeopatia no tratamento de crises de ansiedade.
    Bjs, o blog é ótimo, muito esclarecedor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anne, obrigada pela sugestão!
      Beijos, saúde pra você!

      Excluir
  3. eu tomo alprazolam junto com a paroxetina estava sendo bom mais depois de uns anos tive crise de panico fui ao medico e ele resolveu trocar para rivotril sub lingual e citalopram pois engordei tomando a paroxetina e o alprazolam tava dando muito sono

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, devemos sempre procurar um médico - de preferência, um psiquiatra - para reavaliarmos nosso tratamento medicamentoso. Espero que se sinta melhor. Dê notícias!
      Boa sorte!

      Excluir
  4. Karen, postei 2 vezes pra vc e não localizo as mensagens.
    Vc teria como localizar?

    ResponderExcluir
  5. tomo alprazolam , receitado por meu cardiologista pois é mais voltado para ansiedade não dando tanto sono quanto rivotril, dependendo da dosagem é claro...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O importante é se sentir bem com a sua medicação e estar sempre amparado por um médico da sua confiança. Abraços!

      Excluir
  6. Vou me casar o civil daqui a duas semanas.
    Tenho fobia social e consegui uma cartela de rivotril, mas não sei como tomar.
    Devo tomar antes (quanto tempo antes?) ou no momento em que for começar a cerimonia?? Prometo que será só dessa vez e assim que casar através do convênio do meu esposo vou procurar fazer tratamento correto com psicologa e psiquiatria, só preciso de algo que me acalme no momento do civil, me ajude por favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, já que você tem duas semanas até o casamento, que tal procurar um médico? Talvez você não consiga agendar consulta com um psiquiatra, que seria o ideal, mas pode tentar um clínico geral para que ele te oriente de forma segura.
      Eu poderia dar meu palpite aqui, mas não acho adequado.
      De qualquer forma, não deixe de cumpri a sua promessa! ;)
      Boa sorte e felicidade no casamento!

      Excluir
    2. De qualquer forma brigada.
      Sim vou cumprir o prometido.

      Excluir
  7. Telmo

    Estou fazendo tratamento contra depressão e medo associado . Mas medo de tudo Karen DE ASSISTIR TELEVISÃO A SAIR A RUA ME SINTO MUITO MAU... já não sei mais o que fazer a medica receitou risperidona, a paroxetina já tomo a um tempo , e o propranolol so que fico com os músculos e nervos em tensão permanente,e a medica psiquiátrica reluta em me prescrever Rivotriu. Não sei mais o que fazer... Me sentia muito bem quando tomava. Mas tive de mudar de psiquiátrica e esta nova resolveu tirar da receita o Rivotriu me sinto muito mau sem ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Telmo, há quanto tempo você está em tratamento? O problema do Rivotril é que ele pode causar dependência, caso seja usado por muito tempo. De qualquer forma, tente conversar com sua psiquiatra, somente ela poderá lhe explicar a decisão de retirar o Rivotril. Essas sensações todas que você está sentindo passarão quando a medicação fizer efeito, você vai ver. Vamos nos falando, mande notícias, ok? Boa sorte, saúde e coragem!

      Excluir
    2. Telmo...tente manter a calma e sei o quanto é difícil mantê-la quando o processo de crise inicia. Tenho feito exercícios físicos e de respiração que tem sido bastante eficaz no início das crises que geralmente começam com a falta de ar. E claro, você não vai melhora de uma hora prá outra mas tente se distrair cabeça com algo que goste (sei que é difícil lembrar de algo quando não gostamos nem da própria vida durante as crises) e vai fazendo as coisas com medo mesmo! Coloque na mente que isso não te matará e vai fazendo as coisas. Ultimamente não tenho suportado trânsito ainda mais aqui em SP e sempre tento fugir de dirigir mas como quando se trabalha como vendedor externo? Abraço e boa sorte. Se quiserem, podemos trocar ideia através do email thiago_holand@hotmail.com

      Excluir
  8. Telmo

    Com o Rivotril a 2 anos junto da Paroxetina. Com esta nova receita a um pouco mais de 1 mês. Ela alegou, a psiquiatra, que o Rivotril só mascarava o problema, além de causar dependência, por isto tomou a decisão de retirar da receita. E nisto que ela retirou repentinamente, tive uma recaída grave, onde passei a temer tudo novamente. Não sei se sem o Rivotril conseguirei, pois ele me deixava menos tenso pra enfrentar o problema. Mas obrigado pela atenção e pela dedicação em responder os recados, você parece ser uma pessoa do bem legal (obrigado)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Telmo! Tenho certeza de que, com a ajuda da sua médica, chegará a um equilíbrio. Como lhe disse, compreendo que o Rivotril não deve ser usado por um longo período. Mas se está sentindo tanto desconforto e voltou a ter sintomas, não deixe de falar para ela. Abraços!

      Excluir
  9. Tomei Rivotril na época que o bicho pegava! Hj uso muito raramente. O uso responsavel, sob a orientação médica não traz prejuízo.
    Até sorri, pq mesmo sem usar, sempre tenho a garrafinha . Mas como a minha prescrição é SOS e minhas crises são raras, dificilmente uso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tb, Marjory. Hoje, felizmente, praticamente não preciso recorrer ao Rivotril. Mas um dia ele me ajudou bastante!

      Excluir
  10. Oi Karen! Adorei seu Blog, muito bacana trocar ideias e ouvir o que os outros também passam e que vc não está sozinha nessa caminhada.
    Estou com os sintomas do Transtorno de Pânico ha 1 mês e meio, ja tive 3 crises, a ultima foi exatamente como um enfarto. Sou Psicóloga e por isso identifiquei meu problema desde a primeira crise, ainda vivo em angustia causado pelo medo de ter uma nova crise. apesar da minha profissão, não tinha tamanho conhecimento, hoje depois de muitas pesquisas e até mesmo entrevistas que tenho feito, tenho aprendido muito. Na minha primeira crise foi dado o "start" quando pensei q havia tomado um remédio duas vezes, que era um calmante que o medico havia me receitado após uma cirurgia plástica, eu que nunca havia tomado nada desse perfil, entrei literalmente em pânico. Contudo, acabei indo ao psiquiatra que me receitou Rivotril 2,5 e Daforin, só que estou com eles na bolsa e não consegui tomar, tenho medo de entrar em pânico novamente.
    Ler aqui que muitos tomam esses medicamentos, me alivia um pouco mas ainda sigo sem tomar e sei que preciso e muito!
    A parceria de quem vive o mesmo problema, vejo que está sendo fundamental para minha recuperação!
    Obrigada à todos!
    Carol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol,
      Eu também senti muito medo de tomar os remédios e precisei tomá-los na frente da minha psiquiatra e da minha psicóloga, pra você ter uma ideia! rss Mas hoje vejo que esse medo é muito comum entre nós, ansiosos. O que posso te dizer é que eles me ajudaram muito a ter minha vida de volta, sem sintomas, sem crises. Acho que vale a pena você tentar! Depois me conte como foi. Ou não foi. ;) Conte comigo e com o grupo. Caso tenha facebook, junte-se a nós! www.facebook.com/groups/semtranstorno

      Excluir
    2. Pelo que li e sofro, é normal....mania que adquiri depois de ser diagnosticado foi de ler bulas....mas não façam isso...pois, só amplifica o medo e você pode protelar seu tratamento por conta de um medo banal mas que no caso nosso é potencializado. Eu outro dia assoei o nariz e sangrou um pouquinho (o que é normal) e comecei a pensar somente em doenças graves!!! Muita fé em Deus. abraço e parabéns pelo blog.

      Excluir
  11. Olá pessoal! Parabéns pela reportagem! Sou psicólogo e no passado já usei muito Rivotril. Foi bem difícil e parecia quase impossível parar com a medicação.Para as indústrias farmacêuticas quanto mais medicalizada a saúde mais receita para eles. Hoje ajudo pessoas viciadas em nesses remédios psiquiátricos a se livrarem deles. Escrevi um livro para auxiliar essas pessoas que se chama: “Vivendo sem Calmantes – ajudando você a se libertar dos calmantes, da ansiedade e da depressão”. Caso tenha interesse em saber mais aí vai o link: http://www.azulpsicologia.com.br/livro-vivendo-sem-calmantes - Abraço a todos!

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde Karen, sou usuária bde clonazepam a pelo menos 6 anos...adorei seu blog e sinto que preciso de ajuda..ontem tomei 2 comp de 2mg e acordei varias vezes a noite..... Engordei demais e estou com sintomas de depressão... Não me cuido...não me divirto e tenho muito medo das coisas... sei qie devo consultar um psiquiatra, estou sem plano de saúde o que difículta bastante... Obrigada pelo blog, vai me ajudar muito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Olha é muito difícil passar por crises tendo apoio, sem ajuda de profissionais fica ainda pior. Eu acho que vc tem que começar a pensar que a pessoa mais importante pra sua vida é vc msm. Existem vários núcleos de apoio, psicólogos a baixo custo por faculdades e etc. Saúde.

      Excluir
  13. em primeiro lugar parabéns pelo blog...mto importante saber q ñ estamos sozinhos na luta.
    tb inicie tratamento c clonazepam e daforim
    no meu caso encontrar um psiquiatra de confianca foi a chave do sucesso.
    saúde e luz a tds!

    ResponderExcluir
  14. Olá, boa tarde.
    Bom, estou começando a ter crises de ansiedade agora, sempre acontece a noite e sinceramente não sei o que fazer. Ultimamente tem afetado meu sono e sem dormir parece que as coisas ficam pior. Não sei por onde começar, que médico devo procurar e acho que talvez você possa me ajudar a indicar o caminho..rs. Já tomei alguns remédios naturais e chás mas não está resolvendo.
    Desde já agradeço a atenção e a parabenizo pelo blog.

    ResponderExcluir
  15. Olá! Muito interessante seu blog. Também sofro desse problema, há quase dois anos. Numa certa noite, pulei da cama com o coração disparado, sentindo muito calor e nervoso. Depois disse tive cerca de 5 crises. A ultima foi ontem. Tive de ir no médico, me senti muito mal. Ele me receito o Rivotril apenas quando eu sentir esses ataques. É a pior sensação que já senti na minha vida. Pensei que iria ficar louco. Um abraço e paz!

    ResponderExcluir
  16. Oi Karen, meu nome é Viviane e estou passando pela segunda vez na vida por crises ansiosas. Fiz tratamento no passado e devido as situações de estresse voltei a ter crises. O problema é não consegui me adaptar a uma medicação ainda, experimentei clomipramina e tive uma crise alergica, tomei outra medicação e foi a mesma coisa. Hoje inicei com daflorin em gotas para meu corpo se adaptar.
    Gostaria de sugerir uma reportagem sobre isso, de pessoas que são sensíveis a doses grandes de serotonina ou que tiveram grande dificuldade em se adaptar a medicação. Obrigada e se blog nos ajuda muito..

    ResponderExcluir
  17. Karen tive problemas de estar desligado do mundo isso me deixou em estado de pânico , atacou minha ansiedade não comia , não dormia , achei que ia enlouquecer estou tomando Clonazepam com orientação do meu psiquiatra , espero me livrar logo disso tudo ! Obrigado

    ResponderExcluir

Obrigada por deixar seu comentário no Sem Transtorno! Não deixe de curtir a nossa página no facebook.com/semtranstorno.